PETROVINA SEMENTES
menu hamburger
Whatsapp

Blog

Milho: a importância do grão para o mundo

Aliada ao agronegócio, a cultura do milho se tornou essencial em nossas vidas. 


O milho é uma cultura muito importante e eu posso provar. Muito presente em nossa alimentação, é o grão mais produzido no mundo. Os primeiros registros de seu cultivo datam mais de 7.000 (sete mil) anos atrás, no litoral mexicano.


No Brasil, antes mesmo da chegada dos colonizadores portugueses, o grão já fazia parte da alimentação indígena.


Um alimento completo. Fonte energética, contém vitaminas, proteínas, gorduras, carboidratos, cálcio, ferro e sua casca é rica em fibras.


Além de muito nutritivo, é um alimento versátil. Ele entra em nossas mesas de várias formas. A maneira mais prática e rápida é o consumo da espiga cozida, mas o seu grão é matéria prima para vários pratos culinários: canjica, bolos, pães, cuscuz, pipoca, polenta, mingau... A partir da sua refinação, se torna óleo de cozinha, rico em ômega 6 e vitamina E. Até a cerveja do final de semana, tem milho em sua composição.


A lista de como o milho entra em nossa alimentação e seus benefícios é enorme. Poderia escrever um texto somente sobre isso. Mas, o objetivo é ir além e mostrar que o grão é mais do que um alimento. O milho, literalmente, vale milhões.


Opção de biocombustível


O etanol produzido do milho é uma realidade. Além de ser sustentável, sua principal vantagem é o seu nível de produtividade. Enquanto uma tonelada de cana de açúcar produz cerca de 90 litros de etanol, a mesma quantidade de milho, rende até 400 litros de combustível. O que significa que o modelo depende de uma menor área plantada, com menor custo de insumos.


Uso na indústria


O milho contém alguns componentes, que com o tempo, se mostraram perfeitos para a fabricação de certos produtos. Cosméticos, talco infantil, tinta, pneus, cola escolar, fogos de artifícios e até alguns medicamentos, tem o milho em sua composição.


Alimentação animal


O milho é o principal alimento utilizado na fabricação de ração animal. Seu uso é ideal, pois o grão é rico em componentes energéticos. Lembrando que, a carne animal (bovina, suína, aves e peixes) é fonte de proteína para o ser humano. Dessa forma, o uso do milho em ração animal, significa o retorno para a nossa alimentação indiretamente.


Plástico biodegradável


A partir do milho é possível produzir plástico. Isso mesmo. E o melhor de tudo: plástico biodegradável. Diferente do plástico comum, feito a partir do petróleo, o plástico produzido do milho, não demora até 500 anos para se decompor. Outro ponto importante: o petróleo á uma fonte de matéria finita, um dia vai acabar. Já o milho, é fonte renovável.


Conclusão


Após levantado todos esses pontos, fica fácil enxergar a importância do milho. Sua comercialização movimenta a economia e gera empregos.


Além disso, também tem a sua relevância cultural.


Hoje, o milho é a base da cultura alimentar de vários países. No Brasil, seu consumo vem desde antes da chegada dos portugueses e até hoje tem espaço reservado em nossos pratos.


Não podemos deixar de lembrar de uma festa com lugar especial no coração dos brasileiros. A festa junina acontece na época de colheita do milho e tem o grão como protagonista.


A verdade é que, o milho está mais presente em nossas vidas do que imaginamos: em nossas mesas como alimento, em nossos remédios, na indústria de cosméticos, na alimentação animal, como matéria prima sustentável para a indústria. E outra verdade, por trás de tudo isso, está o agronegócio, que por meio de pesquisas e investimentos em tecnologia, possibilitam o máximo proveito das lavouras.


Referências:

Aprosoja Mato Grosso, Associação Brasileira das Indústrias do Milho (ABIMILHO), Portal do Agronegócio, Veja Saúde, Boas Práticas Agronômicas.


Confira mais publicações
Algodão: muito além do tecido
Quem passa por uma lavoura de algodão próximo ao período de colheita, sempre se encanta. Não é à toa que o algodão é conhecido como o ouro branco.Hoje é a cultura de fibra mais importante do mundo, movimentando cerca US$ 12 bilhões e empregando 350 milhões de pessoas a nível mundial, conforme divulgado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa).Um dos motivos que torna a fibra tão importante e rentável é que tudo se aproveita da planta. O uso do algodão vai muito além da semente e produção de tecidos. Continue lendo para entender como o algodão pode se transformar em alimento e até em dinheiro.Pluma: a mais conhecidaA pluma do algodão é a mais lembrada quando se pensa na cultura. É a fibra utilizada na indústria têxtil, na fabricação de roupas. Ou, a parte da planta que, após vários processos industriais, é comercializada em supermercados como algodão hidrófilo ou, de forma simples, o nosso popular, algodão, utilizado no meio estético para limpezas e em produtos de enfermagens.Semente: o coração do algodãoProtegida pela pluma do algodão, passa por processos de limpeza e avaliações para certificar a aplicação da semente no campo. Atualmente, existem tratamentos industriais de alta tecnologia, que garantem o alto poder de germinação e produtividade.Todo o mercado em torno da semente do algodão é importantíssimo, pois para continuarmos vestindo roupas de algodão ou usando curativos quando nos machucamos, precisamos seguir plantando a cultura. E como plantar sem semente?Caroço: 1001 utilidadesA semente, antes de ser classificada como semente, passa por uma série de testes de qualidades. Caso não cumprir os requisitos, é classificada como caroço. O que não diminui a sua importância. Apenas troca de utilidade.Do caroço é possível extrair o óleo do algodão, que após processo de desintoxicação e refinação, se torna comestível, sendo rico em vitamina E e ômega-3. Sim, o algodão além de nos vestir, também pode nos alimentar.O poder de produção do caroço não termina com a extração do óleoA casca do caroço, a torta do algodão, que é uma espécie de “bagaço” obtido após a extração do óleo, e o farelo do algodão, resultado do uso de alguns produtos químicos na prensagem, são todos utilizados na fabricação de ração animal e alguns tipos de adubos.Papel moeda: o dinheiro da em arbustoTópico mais inusitado. Sabe aquela nota de R$2 perdida na sua carteira? A maior parte dela vem do algodão. Isso porque, a fibra do algodão é utilizada na confecção de papel moeda. Para aumentar a durabilidade e não estragar a nota quando esquecemos no bolso na hora de lavar roupa, o papel moeda é feito de fibra do algodão e linho, fibras de maior resistência.ConclusãoNão tem discussão. O algodão é extremamente importante. Precisamos dele para vestirmos roupas confortáveis e dormimos em lençóis macios, é fundamental na indústria farmacêutica e estética, faz parte da alimentação humana e animal e está presente até em nosso dinheiro.Para finalizar, fica a pergunta: como seria a nossa vida sem o algodão? Referências:Sou de Algodão, Associação Matogrossense dos Produtores de Algodão (Ampa), Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária, Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, Mercados Agrícolas, Tua Saúde.
Anvisa bane Carbendazim do Brasil, entenda a descontinuação gradual
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), baniu o uso do fungicida Carbendazim nas lavouras brasileiras, após reunião extraordinária. Em seu site oficial, a Anvisa explica que a decisão foi tomada devido “ao potencial do produto de causar mutagenicidade, toxicidade para a fisiologia reprodutiva e toxicidade para o desenvolvimento embriofetal e neonatal e da impossibilidade de determinação de limiares seguros de exposição humana para esses desfechos toxicológicos”.Os produtores terão um período de transição. A Anvisa estabeleceu a descontinuação gradual do fungicida, respeitando as seguintes proibições:I - a importação de produtos técnicos e formulados e a produção de produtos técnicos a partir da vigência da Resolução;II - a utilização de produtos formulados com tecnologias de aplicação manual costal, semiestacionária, estacionária e por tratores de cabine aberta a partir da vigência da Resolução;III - a produção de produtos formulados a partir de 3 (três) meses, contados da data de vigência da Resolução;IV - a comercialização de produtos formulados a partir de 6 (seis) meses, contados da data de vigência da Resolução; eV - a exportação de produtos técnicos e formulados a partir de 12 (doze) meses, contados da data de vigência da Resolução.Todas as regras e prazos foram formalizadas por meio de Resolução no Diário Oficial da União (DOU).Saiba mais acessando o portal da Anvisa.
Soja: previsão de produção acima de 150 mi/t para a safra 2022/23
Conforme os últimos relatórios lançados, a safra de 22/23 de soja vai superar o número de 150 milhões de toneladas, com área plantada próxima a 43 milhões de hectares. Os dados são das consultorias Safras e Mercados e StonesX, que apontam produções de 151.497 e 152.568 milhões de toneladas, respectivamente.Para o Brasil, a Safras estima que a produtor vai colher em média 3.550 kg/ha (59,1 sacas). Já a StoneX aponta 3.560 kg/ha (59,3 sacas). Saiba mais acessando o portal Canal Rural.
VER MAIS

Fale conosco

Selecione um assunto
Opção 1
Opção 2
Opção 3
Opção 4
*Campos obrigatórios
Enviar
Sementes Petrovina

Trabalhe conosco

*Campos obrigatórios.
*Arquivos aceitos Word e PDF.
Anexar arquivo Anexar
Enviar
Logo Petrovina Original em Vetor
CotaçõesCotações
Dólar
Bolsa Chicago